Anterior Próximo

Sobre a Região

A Serra de Macaé

A Região Serrana é formada pelos distritos de Cachoeiros de Macaé (Areia Branca, Serro Frio, Bicuda Grande e Bicuda Pequena), Glicério (Serra da Cruz, Estrela, Óleo, Trapixe, Frade e Duas Barras) e Sana.

Sana é um lugarejo com cerca de 3 mil habitantes e muito procurado por turistas do mundo inteiro, a 165 km do Rio de Janeiro, 590 km de São Paulo e 605 km de Belo Horizonte e tem os municípios de Carapebus, Casimiro de Abreu, Conceição de Macabu, Nova Friburgo, Rio das Ostras e Trajano de Moraes como limites.

Considerado um santuário ecológico com área de mata atlântica e diversas cachoeiras, o Sana está localizado em um vale cercado de montanhas peculiares. A mata atlântica existente no Sana é do tipo secundária e é no meio desta mata que brota a grande atração turística do lugar: as belíssimas cachoeiras. Localizado a 165 km do Rio de Janeiro, 590 km de São Paulo e 605 km de Belo Horizonte.

A Imigração

O Rei D. João VI cedendo às pressões da Inglaterra em extinguir o tráfico de escravos e aproveitar amão de obra europeia, firmou um acordo em 2 de maio de 1818 com o governo suíço, no qual concordava em estabelecer algumas famílias de colonos imigrantes no Brasil, bem como conceder-lhes terreno e dando-lhes outras vantagens. Em cinco de maio de 1818 foi assinado o contrato por Sebastião Nicolau Gachet para trazer cem famílias de colonos suíços a serem estabelecidas na Fazenda do Morro Queimado, distrito de Cantagalo. 

As Famílias

Segundo historiadores, chegaram ao Brasil cerca de 2.006 colonos no total de 261 famílias, quase o triplo do acordado, com exceção de mais de 300 que pereceram no trajeto. Os imigrantes sobreviventes das famílias: Tardin, Garchet, Stutz, Curty, Bard, Musy, Muller, Studer, Salusse, Meyer, Haggedorn, Lemgruber, Monnerat, Lutterbach, Sauerbronn, Van Erven, Leuenroth, Engert, Thuler, Emerech, Wermelinger, Erthal e Braune. 

O vilarejo

Alguns historiadores nos contam que faltou organização na seleção e povoamento dos imigrantes, tanto que muitos colonos, diante das inúmeras dificuldades encontradas, se deslocaram para outras localidades no Vale do Rio Macaé, em busca de terras mais propícias ao cultivo do café e fundaram vários povoados, como Lumiar, São Pedro da Serra, Cascata e o Sana. Pouco se conhece ou é documentado sobre a origem do nome Sana, entretanto, segundo alguns moradores, a lenda mais aceita é que o nome foi dado ao rio por seus antepassados, em homenagem ao Rio Saane (em alemão) ou Sarine (em francês), rio que corta o Canyon da cidade bilíngue de Fribourg.

O solo doado, muito íngreme, revelou-se impróprio para o cultivo do café, passando então a se desenvolver a policultura. Com a decadência do café nos anos 30 e 40, as áreas que antes eram produtivas foram abandonadas, permitindo seu reflorestamento ou transformadas em pastos livres e plantio de banana. No fim dos anos 50, a abertura das estradas de terra facilitou o acesso aos centros urbanos, antes por trilhas em cavalos ou burros. 

Os hippies e o sonho de liberdade

Em meados da década de 70, o vilarejo que havia ficado em abandono por vinte anos, passou a ser frequentado por jovens das regiões vizinhas, estimulados pelo movimento de contracultura e que buscavam nas matas ainda virgens, o isolamento da sociedade de consumo. Formou-se então uma comunidade alternativa composta por hippies e naturalistas que se estabeleceu no Vale do Peito do Pombo, próximo ao pico de mesmo nome. Artesãos, músicos e estudantes de origem urbana transformaram em estilo de vida as críticas à sociedade, a recusa de uma visão científica do mundo (parto natural, ervas medicinais), atração por fenômenos místicos e ocultos, filosofias orientais e crítica a razão. Essa experiência comunitária não durou muito e no início dos anos 80 já era visível seu fracasso devido à falta de infraestrutura (saúde e educação) e principalmente a conflitos internos.

Atualmente

Com a chegada da energia elétrica, em 1985, notou-se na região uma intensificação da atividade turística e alguns "ex-hippies" remanescentes da comunidade alternativa começaram a se dedicar a empreendimentos voltados para essa atividade. O aumento do fluxo turístico na região reaqueceu a economia local gerando emprego e renda para a população; entretanto, junto com o incremento na renda familiar começaram a surgir também, as primeiras preocupações com a questão ambiental. Hoje o vilarejo é visitado por todo tipo de turista e ao contrário das demais famílias na Região Serrana, os imigrantes no Sana não mantiveram suas raízes culturais.

Outros distritos

O Distrito de Glicério é o principal distrito da Serra Macaense e sedia eventos de canoagem, podendo até sediar as Olimpíadas do Rio de Janeiro, tendo em vista ser o melhor circuito do Brasil, possui também restaurantes de ótima qualidade, cachoeiras e também é famoso pelo seu carnaval e sua festa no mês de junho. Além de um Chuveirão Histórico e dos vôos das Andorinhas todo cair de noite.

Em Glicério está localizado o Pico do Frade, muitos pensam estar localizado no frade por causa do nome do pico, mas não, ele se localiza no distrito de Glicério, junto com Crubixás, que possui 1.429 m de altura. É o ponto mais alto do município de Macaé. Pode ser visto de vários pontos da cidade, dos distritos, da BR-101 e até mesmo em municípios vizinhos. O Frade é o 5º Distrito de Macaé e possui lindos rios, e uma mata muito extensa.

Córrego do Ouro é o maior em população e o mais urbanizado dos distritos. Sua festa em homenagem à Nossa Senhora das Neves, em Agosto é geralmente embalada por bandas de forró e também atrai muitos turistas por ser cenário de muitos esportes radicais.

 

Sana na mídia:

http://ecoviagem.uol.com.br/brasil/rio-de-janeiro/sana/

http://www.feriasbrasil.com.br/rj/sana/

http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/br-rj-sana


Fanpages Parceiras do Sana Brasil

https://www.facebook.com/SanaRJ

https://www.facebook.com/pages/Arraial-do-Sana/499166506856604/


Fonte de Pesquisa:

TEIXEIRA, Milton de Mendonça. Mão-de-Luva e os primórdios de Nova Friburgo.

www.sindegtur.org.br

Nota: Milton de Mendonça Teixeira é Professor de História da Universidade Gama Filho e da PROTUR - Escola Técnica de Turismo do Rio de Janeiro.