O que são alimentos orgânicos?

São alimentos produzidos de maneira natural, sem o uso de agrotóxicos, transgênicos e fertilizantes sintéticos. Entretanto, são alimentos mais difíceis de serem encontrados em supermercados mais populares e quando disponíveis, custam mais caro em função das dificuldades da produção.

COMO RECONHECER OS ALIMENTOS ORGÂNICOS

Os produtos orgânicos que encontramos nos supermercados devem conter o selo Orgânico Brasil, que é concedido pelo Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica – SISORG –, órgão responsável por credenciar e fiscalizar tais produtos. E seguir determinadas normas:

Não utilizar componentes químicos, agrotóxicos, radiação ionizante ou sementes transgênicas;

  • Todo o processo de produção precisa ter como premissa a revitalização preservação do meio ambiente
  • Em caso de produção animal, o uso de medicamentos alopáticos é proibido e os animais são criados de forma livre.
  • Caso o produto esteja dentro dessas exigências, ele recebe o selo SisOrg que significa que o consumidor está comprando um produto mais saudável e livre de qualquer resíduo tóxico.

BENEFÍCIOS

O maior benefício do produto orgânico, sem dúvida, é a ausência de agrotóxicos. Os agrotóxicos alteram o funcionamento dos hormônios e o DNA das células, provocando oxidação e inflamação no organismo.

Além disso, os alimentos orgânicos preservam em sua composição a qualidade da água, a fertilidade do solo e a vida silvestre. Possuem alto teor de nutrientes, como vitaminas, minerais e antioxidantes, preservam a nossa saúde e a saúde de quem os cultiva, pois, eles não entram em contato com insumos tóxicos que poderiam ser inalados ou absorvidos pela pele. Além disso, evitam o aumento de inflamações e até doenças graves, como o câncer.

 Além disso, existem algumas técnicas de higienização das hortaliças com bicarbonato de sódio, entretanto se trata de um processo muito trabalhoso e que reduz pouca quantidade de agrotóxicos, pois, muitos agrotóxicos não são removidos das plantas.

Outro ponto a ser observado é que esses produtos químicos são lipossolúveis, ou seja, passam pela gordura. Um animal que consome ração com agrotóxicos fica com os químicos impregnados em sua musculatura. Com isso, a carne dos animais apresenta, de maneira geral, conteúdo maior de agrotóxicos do que os vegetais. Por isso, optar pelo orgânico pode servir como uma garantia que o consumidor tem para evitar esses problemas de saúde.

ONDE COMPRAR

Em geral podemos encontrar esses produtos nas feiras orgânicas onde você pode comprar e ajudar diretamente os pequenos produtores que trabalham com melhores preços e alimentos frescos e suculentos.

Busque um revendedor de confiança porque as características do alimento orgânico não podem ser detectadas com facilidade e somente algumas pessoas com paladar mais apurado conseguem distinguir o sabor mais fresco e intenso dos alimentos orgânicos, em especial de frutas e verduras.

Existe um mito de que o alimento orgânico seria menor em comparação ao mesmo alimento cultivado com agrotóxicos, entretanto não é incomum vermos frutas e hortaliças orgânicas tão grandes quanto às que não seguem esse tipo de cultivo.

Procure pelo selo de certificação: A não ser que o consumidor conheça o produtor e a origem do alimento, a única maneira de ter a garantia de um alimento orgânico é com a presença do selo de identificação deste meio de produção. O selo, em questão, é o concedido pelo Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg), um órgão que é responsável por credenciar e fiscalizar os produtos que possuem essa origem.

E o leite orgânico? Um estudo divulgado pelo Journal of Agriculture and Chemistry Food apontou que o leite orgânico pode ser identificado por meio de isótopos na sua fórmula, mas somente cientistas conseguiram comparar a versão com e sem agrotóxicos.

Dá para comer até a casca: Os alimentos orgânicos podem ser consumidos de maneira integral, ou seja, cascas, sementes e talos também podem ir à mesa. Essas partes dos alimentos normalmente são descartadas pela maioria das pessoas, o que é um grande desperdício, pois são partes comestíveis ricas em fibras alimentares, vitaminas e minerais.