Os microplásticos estão por toda a parte.

Segundo o pesquisador Christian Dunn, da Universidade de Bangor, em Wales, precisamos com urgência pensar sobre o que fazer para reduzir nossa dependência do uso do plástico.

Os microplásticos  são partículas minúsculas que se quebraram ou se desprenderam de outros grandes plásticos, tais como roupas sintéticas ou recipientes de alimentos descartáveis. Grande parte do oceano já está poluída e que muitos animais marinhos já foram contaminados por microplásticos encontrados em suas barrigas.

O plástico está poluindo nossos rios, lagos e zonas úmidas de forma semelhante a poluentes como os chamados 'contaminantes emergentes', como resíduos farmacêuticos, produtos de higiene pessoal e pesticidas, segundo Christian Dunn.

Dunn disse que as descobertas deixam claro que é necessário um esforço conjunto para monitorar regularmente todas as nossas águas interiores” e que isso representa um perigo à vida selvagem, aos ecossistemas e à saúde humana, que tais níveis ocorrem em todos os nossos sistemas de água, mesmo nos lugares mais remotos e em escala global.

Segundo Dunn, “O plástico está poluindo nossos rios, lagos e zonas úmidas de forma semelhante a poluentes como os chamados 'contaminantes emergentes', como resíduos farmacêuticos, produtos de higiene pessoal e pesticidas.

Uma pesquisa da Universidade Nacional de Cingapura  encontrou mais de 400 tipos de bactérias  em 275 pedaços de microplástico coletados em praias locais. 

Os defensores da saúde pública e do meio ambiente e especialistas do mundo inteiro alertam que o combate à poluição do plástico requer cooperação internacional e que é importante desenvolver uma resposta holística à crise da saúde do plástico, pois envolve a redução da produção, do uso e do descarte de plástico em todo o mundo.

Fonte

https://themindunleashed.com